Blog Rocha 100

No princípio, criou Deus os céus e a Terra”. Ótima frase para um Blog que navegará 100 fronteiras: dos céus metafísicos à “rude matéria” terrestre. “Criou Deus, pois, o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou”. Pois, somos também deuses, e criadores. Podemos, principalmente, criar a nossa própria vida, com autonomia: isto se chama Liberdade. Vida e Liberdade são de Deus. Mas, quem é “Deus”? Devotos hebreus muito antigos, referiam-se a Ele apenas por perífrases de perífrases. Para Anselmo de Bec, Ele é “O Ser do qual não se pode pensar nada maior”. Rudolf Otto, diante da dificuldade de conceituá-Lo, o fez precisamente por essa dificuldade; chamou-O “das Ganz Andere” (o Totalmente Outro). Há um sem número de conceitos de Deus. Porém, o que mais soube ao meu coração foi este: “O bem que sentimos intimamente, que intuímos e que nos faz sofrer toda vez que nos afastamos dele”. É de uma jovem filósofa: Catarina Rochamonte.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

1968: A Festa do Tempo

O tempo voa; todavia, o tempo volta. Hoje será 21 de julho de 1968: a partir das 18:00 h. na Usina Cultural Energisa/Sala Vladimir Carvalho. Hildeberto Barbosa Filho fará  a apresentação do livro

O ANO QUE FICOU: 1968-Memórias Afetivas

E todos nós faremos a festa em Memorável Coquetel Afetivo.

Esperamos todos vocês para a confraternização do ANO QUE VOLTOU.

Tim! Tim!


quinta-feira, 20 de julho de 2017

Sexta-feira, 21/07, na Usina Cultural Energisa: este dia também ficará!

O esforço foi grande e tudo indica que o lançamento do livro

O ANO QUE FICOU: 1968-Memórias Afetivas

será um grande sucesso: nesta sexta-feira, 21 de julho, às 18 horas, na

Usina Cultural Energisa/Sala Vladimir Carvalho

O evento será culminado com um Memorável Coquetel de Confraternização. Será um grande prazer receber todos vocês.  Tim! Tim!

terça-feira, 18 de julho de 2017

Coquetel 1968

Como disse nosso amigo Agamenon Sarinho em relação ao lançamento do livro O ANO QUE FICOU: 1968 - Memórias Afetivas, "a coisa está pegando". Com efeito, o entusiasmo é cada vez maior com a possibilidade de relembrar, reviver aquele ano magnífico, maravilhoso e terrível que ficou em nossas memórias e em nossos corações. Pois bem, no lançamento (Usina Cultural Energisa/Sala Vladimir Carvalho, sexta-feira 21/07, às 18:00 h.) vai ter Coquetel. Mas não tenham medo, não será coquetel molotov, que era o que usávamos contra a repressão nos confrontos de 68; será um Coquetel com deliciosas bebidas e saborosos salgadinhos. Será muito bom recordar com os companheiros e companheiras de jornada aquele tempo de lutas e aventuras. Os jovens de hoje, que lá estarão, ouvindo jovens de ontem (rebeldes de velhos tempos), terão muito em que refletir.

Esperamos todos. Contamos com vocês. Tim! Tim!

domingo, 16 de julho de 2017

1968: quarta-feira no Programa Jorge Blau - Rádio Sanhauá

rocha100.blogspot.com.br

Caros e caríssimas; a campanha de divulgação do lançamento do livro O ANO QUE FICOU: 1968- Memórias Afetivas está ótima (Usina Cultural/Energisa-Sala Vladimir Carvalho, sexta-feira, 21, às 18:00 h.). Já estivemos na TV Master, Conversando com Rui Galdino, e agora Jorge Blau convidou os autores do livro para conversar com ele lá na Rádio Sanhauá, nesta quarta-feira, 19. O Programa Jorge Blau, excelente e de grande audiência, começa às 14:00 h., nós entraremos às 14:30 h; para uma conversa longa, até às 16:00 h. Sintonizem o rádio; ou vão pela internet: radios.com.br/aovivo/radio-sanhaua

Forte abraço. Contamos com vocês.

sábado, 8 de julho de 2017

Lilian e Leopoldo, Heróis da Venezuela

rocha100.blogspot.com.br

É com viva alegria que vejo, hoje, 08/07, estampada nos portais a notícia de que Leopoldo López passou do cárcere para a prisão domiciliar. Não é ainda a vitória de uma libertação plena, mas é já para comemorar, pois entendo que seja prenúncio da libertação definitiva, não só de Leopoldo, mas a libertação definitiva da Venezuela, que marcha resolutamente para por fim à ditadura fascista do podre Nicolás Maduro. A resistência de Leopoldo López impressiona e muito tem inspirado a luta democrática dos venezuelanos.  Da mesma forma, impressiona e inspira a determinação com que sua esposa, Lilian Tintori, tem conduzido a campanha pela libertação do marido e de todos os presos políticos.

Leopoldo e Lilian, Heróis da Liberdade.

Saudações Democráticas! A Luta Continua!

quinta-feira, 6 de julho de 2017

O ANO QUE FICOU: 1968-Memórias Afetivas

Caros e caríssimas;

Temos o prazer de comunicar e convidar para o lançamento de um livro por nós organizado; um livro de lembranças personalíssimas, mas também históricas:

O ANO QUE FICOU: 1968- Memórias Afetivas

São dezesseis depoimentos de pessoas que estiveram na luta contra a ditadura militar. O foco é o movimento estudantil de 1968 em João Pessoa-Paraíba. Porém, alguns depoimentos se estendem até os movimentos culturais de contestação (o teatro, principalmente), outros retrocedem à época das Ligas Camponesas e do golpe militar de 1964; e ainda outros avançam para além de 1968, para a luta armada dos terríveis “anos de chumbo”.

Trata-se de um livro de construção coletiva. São estes os organizadores e depoentes, coautores:

Washington Rocha, Telma Dias Fernandes, José Mário Espínola, João Petronilo, Guy Joseph, José Bezerra, Emilson Ribeiro, Silvino Espínola, José Ronald Farias, Gilvan de Brito, Agamenon Sarinho, Romeu de Carvalho, José Nilton, W. J. Solha, Eldson Ferreira, José Calistrato, Assis Fernandes de Carvalho.

O lançamento será em 21/07 (sexta-feira), a partir das 18 horas, na

Usina Cultural Energisa/Sala Vladimir Carvalho

Rua João Bernardo de Albuquerque, 243, Tambiá, João Pessoa-PB.

O livro terá apresentação do poeta, crítico literário, professor da UFPB e membro da Academia Paraibana de Letras (APL) Hildeberto Barbosa Filho.
Iniciamos hoje a campanha de divulgação, solicitando que repassem nossas mensagens, que transmitam nosso Convite.

Contamos com vocês.


Washington Rocha e Telma Dias Fernandes (organizadores).

segunda-feira, 8 de maio de 2017

O PT está maduro

Avançado na mentira, demagogia e corrupção, o PT foi, nos seus 13 anos de poder, um tanto lento em matéria de autoritarismo. É bem verdade que, tanto com Lula quanto com Dilma, fez alguns ensaios tímidos contra o espírito e a letra da Constituição Democrática, mas que se frustraram devido à resistência da opinião pública e do Parlamento. Todavia, agora, na oposição, carregado de experiência, o PT mostra-se maduro e indica que, quando voltar ao poder, saberá impor sua agenda autoritária com a necessária audácia. Neste sentido, muito se tem divulgado a fala de Lula no 6º Congresso Estadual do PT de São Paulo, sexta-feira passada, dia 5 de maio. Com efeito, em ataque aos investigadores da Lava Jato e a jornalistas, Lula foi deveras audacioso; vejam:

 “Amanhã o Lula vai ser preso. Faz dois anos que eu estou ouvindo isso. Se eles não me prenderem logo, quem sabe um dia eu mando prende-los por mentiras”.

Em seguida, Rui Falcão, presidente nacional do PT, tratou de deixar claro que Lula está acima da lei; confiram: 

"Se quiserem condenar o Lula, haverá resistência no país inteiro". E completou, retumbante: "A democracia, hoje, significa diretas-já e Lula presidente".

Como se pode ver, a doutrina autoritária do PT atinge um patamar superior, a índole autoritária da seita lulopetista se exibe em sua forma madura, com audácia despudorada. Tudo dentro do figurino. Vejamos: a idolatria, o enaltecimento desmedido do chefe, a bajulação mais deslavada fazem parte do manual do autoritarismo desde sempre; à esquerda e à direita. Hitler, por exemplo, era para os nazistas a encarnação da Alemanha; aqui, na bajulação desvairada de Rui Falcão, Lula é a encarnação da democracia. E nessa nova democracia petista, o chefe mandará prender quem mente. Ora, no autoritarismo, todos que contrariam o chefe, mentem.    

Para azar de Lula e de Rui Falcão, tem sido forte a reação a este delírio autoritário do lulopetismo. O presidente da ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República), José Robalinho Cavalcanti, por exemplo, considerou a fala de Lula como "ameaça" e reagiu à altura, fulminante:

"— supõe-se legitimamente que depois de mais uma vez eleito presidente — irá mandar prender os que investigam. Isto não irá deter qualquer agente de Estado ou a marcha serena e impessoal da Justiça, mas não é uma declaração digna de quem foi por oito anos o supremo mandatário do país. O ex-presidente sabe muito bem que chefes do executivo não ‘mandam prender’ ninguém em um estado de direito. A Justiça é que o faz”.

Certamente, a fala de Lula não é digna dentro de um ponto de vista democrático; mas é digna de um chefe fascista. Lula e o PT estão maduros, e já apodrecendo.